Obsessão

Imprimir
PDF
“Por que meios se pode neutralizar a influência dos maus espíritos?
- Fazendo o bem e colocando toda a vossa confiança em Deus, repelis a influência dos espíritos inferiores, e destruís o império que eles querem tomar sobre vós. Evitai escutar as sugestões dos espíritos que suscitam em vós os maus pensamentos, sopram a discórdia entre vós e vos excitam todas as más paixões. (livro dos Espíritos - questão 469)”

No tratamento dos processos obsessivos causados pela contaminação fluídica, através de ondas mentais emitidas por criaturas que vivem envoltas nos sentimentos de ódio e vingança, deve o homem buscar o equilíbrio mental baseado nas primícias do Cristo, que o exorta para a paz, através da disseminação do amor.

Quando o homem busca vivenciar o amor, fazendo o bem a todas as criaturas, cria uma psicosfera de paz e harmonia, que propicia o equilíbrio necessário para repelir a má influenciação de espíritos inferiores que tentam sugestioná-lo à discórdia e as más paixões.

Deve o homem manter em movimento as energias do amor que envolvem o seu corpo psicossomático, para que possa se manter imune às energias deletérias causadoras dos desequilíbrios.

Fazendo uma analogia das energias mentais com as águas de um lago, observamos que as águas, com toda as suas qualidades de renovação da vida material, se permanecer estagnada, torna-se fonte de proliferação de gérmens e bactérias, e que para voltar ao estado de pureza é necessário que haja uma renovação gradativa e constante. Da mesma forma as energias mentais, com todas as suas qualidades de renovação espiritual, se não forem renovadas constantemente pelas emanações do amor, tornam-se fonte de perturbação e desequilíbrio que deixa o homem suscetível a mergulhar nas malhas da obsessão.

Não basta ao homem buscar o refúgio na prece, se não vigia os seus atos e controla os seus maus impulsos. Todo aquele que se encontra em meio a processos obsessivos deve vigiar e orar como nos disse Jesus, para que se mantenha equilibrado e longe das más influenciações.

Todo processo obsessivo é causado pelo desequilíbrio das energias mentais do obsessor e do obsidiado. Para que o processo acabe é preciso que haja uma modificação profunda da vida mental de pelo menos um dos protagonistas.

É necessário ao homem, que por sua força de vontade consegue repelir a influenciação dos maus espíritos, ter consciência que deve continuar vigilante para que os mesmos não encontrem momentos favoráveis a reatar os laços obsessivos, e leva-lo novamente ao desespero e ao sofrimento.

O amor é o antídoto a obsessão, capaz de modificar o homem, transformando o seu coração, e ensinando-lhe a vivenciar o perdão. Só através dele poderá diluir as magoas e o rancor, fazendo germinar os sentimentos nobres que o engrandece espiritualmente.




MIGUEL  DELAVINI
(mensagem recebida por Paulo Guedes )